segunda-feira, fevereiro 05, 2007

Justiça, Reencarnação, Lei de Causa e Efeito

O tema é recorrente na doutrina espírita. Muito se tem falado sobre isso. Aproveito o espaço próprio para expor minha opinião sobre o tema, e meu embasamento.

Para quem olha o título parecem palavras soltas, temas díspares, entretanto, eles se entrelaçam e misturam de tal forma que se torna quase impossível falar de um sem mencionar o outros.

O conceito mais popular de justiça, mencionado inclusive n'O Livro dos Espíritos é que justiça é dar a cada um o que merece. É um conceito clássico. Porém todos nós achamos que merecemos mais do que temos recebido. E nos achamos injustiçados.

Entretanto, embora simples, o conceito acima nos basta para entendermos o motivo de misturarmos temas como justiça, encarnação e lei de causa e efeito.

Começo explicando que os espíritos falam em "lei de causa e efeito" e não em "lei de ação e reação". Parece uma diferença bizantina, porém, é importante termos em mente que se toda causa tem um efeito, e toda a ação tem uma reação, a lei de ação e reação prevê que " toda ação corresponde uma reação de igual intensidade e sentido contrário" lei da física enunciada por Isaac Newton, e que não lembro se é a primeira ou a segunda. O que é bem diferente da lei de causa e efeito, pois se este segue aquela, nem sempre é de intensidade igual e em sentido contrário.

Vejamos, se eu jogo uma bola de borracha na parede ela certamente voltará para mim com a mesma força com que a mandei. Isso é lei de ação e reação.

Porém, o comportamento humano não é uma ciência exata, e obedece a variáveis muito mais amplas que o ato de atirar uma bola na parede. Por esse motivo, nem sempre uma causa determinada tem o efeito que seria de se prever. Ou o que desejaríamos.

Um exemplo pode explicar melhor o que estou dizendo. Numa determinada encarnação, há 800 anos atrás, João, casado com Maria, pai de Carlos, mata num duelo a Pedro, cuja esposa, Carlota, era amante de João.

Em várias outras encarnações João e Pedro repetirão metaforicamente esse duelo, prejudicando-se e agredindo-se mutuamente, e patinando em sua evolução espiritual, sem conseguirem efetivamente superarem o primeiro ato delituoso. Mesmo com várias encarnações projetadas para que o problema fosse resolvido, os resultados foram infrutíferos.

Eis que então, é lançado o plano "b'. Já que não conseguiram superar a causa de forma amena, passarão pela prova de fogo: a família. João que em uma encarnação tirou a vida de Pedro deverá agora dar-lhe a vida, e renascerá como sua mãe. Carlota a amante de João, será nesta encarnação também seu amante, o pai de seu filho. Maria e Carlos virão como irmãos de Pedro.

Uma solução certamente bem diferente da que teria o ato delituoso de João caso se aplicasse a "lei de ação e reação", ou a "lei de talião". Nesse caso João seria assassinado em uma outra encarnação e seu débito estaria saldado. E outra pessoa, o assassino, teria contraído um débito ao violar a lei divina que diz "não matarás". Seria despir um santo para vestir outro.

Ora, por que então confundimos tanto lei de causa e efeito com lei de ação e reação? Porque ainda não entendemos que justiça é diferente de vingança. A justiça perdoa, leva em conta as circunstâncias, grau evolutivo, conhecimento, intenção. A vingança quer apenas que o outro sofra do mesmo modo como fez sofrer.

Apesar de tudo que os grandes mestres da humanidade nos ensinaram, principalmente Jesus, ainda não aprendemos a nos conciliar com o nosso adversário quando estamos a caminho do tribunal, muito menos a perdoar setenta vezes sete vezes, e menos ainda que o Amor cobre a multidão de pecados, e que a quem muito se perdoa, muito se ama. Preferimos lembrar da frase dita a Pedro no monte das Oliveiras de que quem pega da espada morre pela espada.

Grifei a palavra "pega" pois ela é importante na frase de Jesus que eu citei. Ele não disse que quem mata pela espada morre pela espada. Disse que quem "pega" da espada morre pela espada. É uma diferença significativa. Quem pega da espada? As pessoas de temperamento briguento, belicoso. São esses os mais prováveis de se encontrarem em situação de agredir, ferir, matar. E são esses também, aqueles que sofrerão os efeitos de tais comportamentos.

Já li e reli em inúmeros lugares, especialmente quando há algum crime de morte com grande repercussão na mídia, que o criminoso devia pagar com a vida, que na próxima encarnação o criminoso certamente pagará, que o criminoso pode fugir da justiça dos homens mas não fugirá da justiça divina, entre outras coisas que dizemos quando estamos com raiva, e cegos pela nossa paixão vingativa.

Quando enunciamos castigos tão rigorosos nos esquecemos de várias coisas: a primeira é que não conhecemos o passado daquela pessoa, tanto o físico como o espiritual e, não sabemos tudo o que motivou tal ato; a segunda é que estamos emitindo um julgamento baseados em informações incompletas, portanto, um julgamento injusto; a terceira é que estamos esquecendo de dois princípios que nos foram legados por Jesus: "Não fazer aos outros o que não queremos que nos façam" e "Com a mesma medida com que julgardes sereis julgados" que nos deviam levar à misericórdia; a quarta é que Deus é soberanamente bom, sábio e justo, portanto seus critérios são melhores que os nossos; por último, que a Justiça tanto a Divina como a humana, não visam apenas punir o mal, mas e, principalmente, reparar o mal, educando àquele que o praticou para que não volte a fazê-lo.

Muitas vezes eu chego a dar risada quando vejo pessoas no Brasil pedindo a volta da pena de morte, como forma de diminuição de crimes graves. A pena de morte é aplicada no mundo desde que a história existe. Se fosse uma boa solução para prevenir a criminalidade, os crimes por ela punidos já estariam extintos a séculos. No entanto eles continuam a ser cometidos, o que demonstra a ineficácia da medida.

Só podemos falar em justiça verdadeira, quando aliamos ao nosso desejo de que o mal seja reparado o sentimento de misericórdia para quem ainda erra, e, no caso de sermos nós os ofendidos, quando sinceramente aprendermos a perdoar. Então poderemos dizer, sem nenhuma hesitação: Pai, perdoa nossas dívidas como perdoamos nossos devedores.

19 comentários:

Priscila disse...

Transmissão de pensamento mesmo Val! Ótimo texto!!!
bjos

wuxiaowie disse...

Very good article?I prepared a very good gift for you, please visit my blog, The best browser fo you in History

wozhangwei disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Anônimo disse...

Quando a gente pensa que aprendeu uma lição vemos que ainda há muito mais a aprender. Gostei muito dessa nova forma de ver a Lei de Causa e Efeito. Muito obrigado!!!

Chanel disse...

Val, gostei muito! Vou acompanhar sempre!

Chanel disse...

Ótimo, Val! Vou ficar acompanhando!
Beijos

MARTINHO disse...

PARABENS ... GOSTEI MUITO DA ABORDAGEM SOBRE A DIFERENÇA ENTRE JUSTIÇA E VINGANÇA ... COMENTAREI ESTA OBSERVAÇÃO SUA NA MINHA PALESTRA DE AMANHÃ A NOITE ... FICA COM DEUS E ATÉ A PROXIMA

elcio disse...

Bom dia. Artigo regular, mas cabe uma ressalva. Não existe na Codificação o termo "lei de causa e efeito" ou de ação e reação e sim LEI DA LIBERDADE, Q.825/872. Deus deu ao espírito liberdade de pensar e agir e de acordo com suas convicções, para ter mérito em seu crescimento, respondendo com trabalho no bem por seus equívocos, conforme a questão 1000 do Livro dos espíritos. A expressão lei de causa e efeito corresponde a uma lei física, da matéria,portanto determinística, sendo descabido seu uso no plano moral, onde vige a consciência, onde o amor cobre a multidão de pecados. Grato.Elcio

Anônimo disse...

Aprendi muito

cris disse...

Obrigada pelo artigo. Sinto-me aliviada em perceber que há espíritas que pensam diferente. Desde muito cedo, passei por muitas dificuldades nessa existência e sempre ouvia de minha genitora espírita que eu estava expiando por ter sido uma pessoa muito má em outra vida. Segundo ela, eu estava colhendo exatamente o que merecia. Ouço isso desde minha infância e, por ter vindo de minha mãe, foi algo que me marcou negativamente e que fez eu me afastar do espiritismo durante muitos anos. Eu não conseguia enxergar justiça em reencarnar apenas para sofrer e saldar dívidas.

Alfredo disse...

Seu comentario e otimo. Gostei muito. Vou inspirar-me nele para apresentar um estudo sobre este tratado em breve.
Parabens! continue. manifeste-se.

Flávia Laroca disse...

Fiquei muito feliz com sua forma de pensar! Vemos espiritas tao duros, duros consigo mesmos, e esquecemos que o auto-perdão, a condição que aquilo ocorreu e iúmeras outras questões aliviam o efeito daquela causa, amenizam a colheita! Acredito que a Lei da Causa e Efeito pode ser imediata, como ocorre com o remorso, em que a pessoa se pune e com as mágoas daqueles que ferimos. Mas, como Deus é o Amor, acredito também que passado o tormento do remorso, a forma de remissão dos mesmos é o aprendizado, o perdão, a noção da nossa limitação moral e da nossa iniciativa de nos melhorar. Logo, imagino que haja a causa, o efeito (a culpa, a mágoa, os sentimentoa que envenenam caso não sejam sentidos com o auto-amor) e a remissão, ou seja, o aprendizado que pode ocorrer rapidamente, ou demorar inúmeras encarnações, como vc mesma citou, em ciclos e cilos familiares: aquele que mata recebe a vitima como filho, que pode trazer dificuldades para esse pai, e juntos com o amor poderem superar aquela causa do passado!! Lindo seu texto!! Foi uma benção para meu coração ler essas palavras!!! Obrigada!!! :)

Anônimo disse...

É certo dizer, que Deus perdoa sempre
más não anúla a pena?

Anônimo disse...

Obrigada Val, estava realmente precisando ler este comentário, estou passando por um momento delicado na minha vida, agora consigo ver as coisas de uma forma mais aceitavel para continuar em frente.
Muita LUZ!

Arnaldo Ribeiro disse...

EFEITO ORIGINAL CAUSANDO EFEITOS ETERNOS AO ENSINAR A INTERPRETAÇÃO DE PARÁBOLAS BÍBLICAS COMO ESTA:

(JL.) – JOEL: A CARESTIA CAUSADA PELO GAFANHOTO E PELA SÊCA: (AR.42.2)
As 42 letras e 3 sinais acima revelam que:

CADA EFEITO JÁ LÊ E CALO: GANHO A RESPOSTA PELA CAUSA: (IL.42.2)

Anônimo disse...

se vc pedir perdao ele perdoa mas A conseguencia do pecado quem paga somos nos. anonino

Anônimo disse...

ELE PERDOA SE VC PEDIR MAS AS CONSEGUECIA DO PECADO QUEM PAGA E VC

Arnaldo Ribeiro disse...

SÍNTESE DA LEI DE CAUSA E EFEITO SEGUNDO ISRAEL:
A ação do SER AMOR tem provado que DEUS é a CAUSA PRIMÁRIA de todas as cousas, dos céus e da terra; sejam elas visíveis ou invisíveis, individuais ou coletivas, quer daquelas que existiram no passado, das que estão sendo criadas no presente, ou como daquelas que existirão no futuro; porque, afinal, o Deus dos Seres Vivos é o Todo-Poderoso: E como tal, o Nosso Senhor já CAUSOU UM EFEITO ORIGINAL, CAUSANDO EFEITOS ETERNOS; ao ensinar ao seu povo como interpretar as parábolas bíblicas, para consumarmos a Profecia Sagrada segundo a sua soberana vontade; à exemplo do que nos revela as 42 letras e 3 sinais que compõe o título do livro de Joel, assim:
(JL.) – JOEL: A CARESTIA CAUSADA PELO GAFANHOTO E PELA SÊCA: (AR.42.2)
(2CO.10.7) – Observai o que está evidente:
CADA EFEITO JÁ LÊ E CALO: GANHO A RESPOSTA PELA CAUSA: (IL.42.2)
(JÓ.34.10) – Pelo que vós, Homens sensatos, escutai-me: (ÊX.25.10) –Venham todos os Homens hábeis entre vós, e façam tudo o que o Senhor ordenou: (LC.2.23) – Conforme o que está escrito na lei do Senhor: (JS.5.9) Hoje removi de vós o opróbrio do Egito: (DT.29.29) – As cousas encobertas pertencem ao Senhor, nosso Deus, porém as reveladas nos pertencem a nós e a nossos filhos para sempre: (2CO.8.11) – Completai agora a obra começada, para que, assim como revelastes prontidão no querer, assim a leveis a termo segundo suas possibilidades: (EZ.24.22) – Fareis como eu fiz:, (JB.13.15) – porque eu vos dei o exemplo, (DT.29.29) = para que cumpramos todas as palavras desta lei. (ES.23.1) – Tende a plena certeza de que: (LC.8.17)- Nada há oculto que não haja de manifestar-se, nem escondido que não venha a ser revelado e conhecido: (HB.11.1) - Óra, a fé é a certeza de cousas que se esperam, a convicção de fatos que não se vêem:

Anônimo disse...

Parabéns pelo Texto, muito esclarecedor, eu era um dos que confundia bastante esses entendimentos.Muito obrigado! e continue fazendo esse lindo trabalho!